• LANÇAMENTO /05/03/2015
  • FORMATOS /

Release

Comunidades caseiras, grupos pequenos ou célula, seja qual for a terminologia, a realidade é que a maioria das igrejas buscam nos grupos menores uma forma mais efetiva de discipulado e comunhão.

Assim como muitas igrejas, a Vineyard nasceu a partir de reuniões de grupos pequenos nos lares. Desde o início a grande prioridade era a busca por um relacionamento mais íntimo e pessoal com Deus. As músicas sempre tiveram um papel importante neste contexto:

“Quando começamos a nos reunir nas casas, eu percebi que em alguns momentos – nós experimentávamos Deus de uma forma mais profunda. Nós cantávamos várias músicas … mas ocasionalmente cantávamos uma música íntima para Jesus, cuja letra era algo como “Jesus eu te amo”. Este tipo de músicas despertavam, e ao mesmo tempo saciavam, a fome por Deus que existia dentro de mim” Carol, esposa de John Wimber, o fundador do Movimento Vineyard.

Por essa identificação com os grupos caseiros, o Ministério Vineyard Music Brasil acaba de publicar seu mais novo projeto musical. Trata-se da série Adorando em casa, que traz como seu primeiro exemplar o álbum Quebrantado.

Quebrantado é uma seleção com 13 canções de adoração, produzidas com um arranjo simples, tocadas com instrumentos acústicos e preparadas para ministração num ambiente íntimo e de comunhão de um grupo pequeno. Os arranjos podem ainda ser usados em igrejas que não contam com uma grande estrutura de som ou que não tenham uma banda completa.

O repertório foi cuidadosamente escolhido, mesclando músicas conhecidas com várias outras inéditas, interpretadas por líderes de louvor das igrejas Vineyard no Brasil, como Andréia Miassaca, Marcelino Cardoso, Greta Lira, Ezequias Pinheiro e Carlinhos Falsetti.

Quebrantado foi um sonho que teve a iniciativa de Fabiano Alves – coordenador de treinamento da Vineyard no Brasil – que se encarregou pela produção artística do projeto e contou com o apoio e produção musical de Amauri Muniz.

“Apesar do rock ser uma marca da música da Vineyard há muitos anos, percebi que de alguma maneira a busca por uma instrumentação cada vez mais moderna e apurada em certos momentos nos afastava da essência. Minha intenção ao produzir esse CD foi apenas lembrar-nos de que a essência sempre será mais importante do que a forma como ela vem apresentada. E me parece que Deus gosta de se apresentar na simplicidade” (Fabiano Alves).