• LANÇAMENTO /15/01/2006
  • FORMATOS /

Release

O Ministério Livre para Adorar destinará toda renda gerada pela comercialização deste CD à obra que visa resgatar crianças escravas da prostituição no Nepal.

Conta com a participação de Christie Tristão e Nívea Soares. Destaque para a faixa inicial, “Liberdade”, e a faixa “Envia avivamento, começa em mim”.

Análise
O Ministério Livre para Adorar nasceu de um anseio por ver a justiça de Deus sendo estabelecida em meio aqueles cujas vozes não são ouvidas, as mãos são pequenas, os braços são fracos, os pés descalços, e a dor vai muito além do que foram criados para suportar.

“Estes” são os pequeninos, os meninos e meninas, os frágeis que foram a nós entregues por Deus para serem nutridos, cuidados, amados. “Estes” são os prostituídos, os escravizados, os famintos, os órfãos, as vítimas, os abandonados, porém, jamais esquecidos! Pois esta é a justiça de Deus: Que os fracos sejam amparados pelos fortes! Que aquele que está de pé socorra o que está ao chão! Que o são trate o ferido! “E que o amor sempre prevaleça…” – Juliano Son

Com o anseio de ver esta justiça sendo estabelecida, nasceu a visão social, a mensagem e o primeiro trabalho fonográfico deste Ministério. Lembrando que toda renda gerada pela comercialização deste cd será destinada a obra que visa resgatar crianças escravas da prostituição no Nepal.

Eu, particularmente, não os conhecia e o álbum pra mim foi uma agradável surpresa. Com canções de adoração com a pegada pop/folk do rock britânico (Delirious?, Matt Redman) estilo que também é explorado por Heloísa Rosa (Liberta-me) e Lucas Souza (Caminho de Revolução) Livres para adorar é mais um trabalho de qualidade lançado pela OniMusic (Asas da adoração, Fernandinho, entre outros).

O disco traz diversas versões de ministérios como Delirious?, Vineyard, Matt Redman ao lado de canções do líder do Ministério, Juliano Son, que possui um timbre vocal que se encaixa como uma luva nas canções. O repertório traz canções de busca, de entrega, de contrição e de reconhecimento da grandeza de Deus com uma sonoridade diferente do que temos ouvido nos grupos de louvor e adoração hoje em dia.

Com a voz suave de Nívea Soares interpretando a primeira estrofe e o refrão, Liberdade é a primeira das 10 faixas que trazem melodias envolventes e guitarras explorando com bastante dinâmica timbres nos mais diversos riffs, licks e solos. Excelente versão para Freedom de Michael Larson.

Onde os anjos temem é outra excelente versão. “Where angels fear to tread” é uma canção de contrição e entrega de autoria de Matt Redman.

O adorem é de autoria de David Crowder (O praise him). A partir desta canção os arranjos rock pop/folk dos anos 80 começam a soar com mais nitidez.

A História de Deus é uma versão para “History Maker” de Martin Smith, vocalista da banda Delirious? (do cd King of Fools). A partir dos primeiros acordes já temos aquela sensação de sonoridade singular no gospel nacional. Esta canção é belíssima. Existe uma outra versão para ela denominada “Feitor da História”, gravada por Lucas Souza no cd “Caminho de Revolução”.

Quão lindo (“Beautiful”) de Samuel Lane (Vineyard) mantém a pegada da canção anterior. A canção tem a letra bem curta e traz frases que exaltam o nome do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Quero te ver traz um dueto vocal entre Juliano Son e Christie Tristão (Asas da Adoração). No final deste hino, que versa sobre busca, temos um momento “espontâneo” de reconhecimento da soberania de Deus. Muito boa.

O teu olhar traz um dueto entre Juliano e Nívea Soares. Esta canção, apesar de lenta, tem muita intensidade. É uma das que mais gostei.

A oitava faixa é uma ministração cantata e falada sobre Cruz. A parte cantata é um momento de intimidade com Deus e a parte falada é um momento para reflexão. Os dois momentos são ilustrados com uma suave interpretação de Gustavo Soares no teclado usando timbres de piano e strings. Excelente.

Entrando em um momento mais contemplativo temos Alvo da minha adoração que também se divide em três momentos distintos. A primeira parte do arranjo que é mais intimista interpretado piano e voz, a segunda parte onde temos uma mudança de nuance com conduzida pela guitarra e o final que retorna ao clima do início.

A gravação termina com mais uma versão de Matt Redman, “Send revival, start with me”. Envia avivamento, começa em mim é um clamor por mais de Deus ao lado de nossa disponibilidade para verdadeiramente nos portarmos como instrumento para que Ele possa operar em nós e através de nós… Apesar de nós.

O disco realmente tem tudo para agradar tanto quem curte os grupos de rock adoração, quanto quem curte os grupos de louvor mais tradicionais.

Ao lado de Lucas Souza, Heloísa Rosa (mesmo estilo), Samuel Mizhary e Sérgio Saas (soul e r & b), Juliano faz parte da nova safra de ministros de adoração do Brasil.

O Ministério Livres para Adorar tem previsão de lançar em novembro de 2006 seu segundo trabalho. O líder do ministério, Juliano Son, se uniu ao produtor Gustavo Soares e coproduziram o cd que levará o título de “A Mensagem”. Assim como nesse primeiro álbum, Nívea Soares faz uma participação especial trazendo um toque de doçura e unção. O título do cd encontra a sua justificativa em um dos seus objetivos, que é levar o Evangelho àqueles que ainda não se renderam ao amor e justiça de Cristo. Além das nove canções que buscam exaltar ao Senhor, haverá também uma mensagem destinada aos corações que ainda não perceberam o quanto precisam de Deus ou que se esqueceram dessa necessidade. O segundo cd vai manter as características do primeiro, trazendo para o português algumas das mais renomadas canções como: “Majesty” (Delirious), “Forever” (Chris Tomlin), “My Hero” (Rita Springer), “You never let go” (Matt Redman), dentre outras. Aliadas a essas canções estão composições conjuntas de Robinson Rui e Juliano Son, e composições de Simon Kang. Sem deixar de mencionar, é claro, a participação mais do que especial e imprescindível do querido e amado Espírito Santo.

Fonte: http://www.supergospel.com.br/

Autor: Roberto Azevedo